O escritor: Bruno Latorre


Deixou a faculdade de Letras de lado e começou a publicar em revistas eletrônicas, como a Germina Literatura. Tem 24 anos e se disfarça de funcionário público. Em breve seu nome estará na antologia “6poetas Amanhã” da Edições Bergamini.



O blog: www.insustentaveislevezas.blogspot.com



Os poemas: Os versos de Bruno são despudorados, riem de si e dos outros e vêm acompanhados da boa fotografia. Robert Mapplethorp e Arthur Fellig estão na sua retaguarda.



Bairro


pessoas gordas dentro de carros sem ar-condicionado
uma mulher casada enclausurada em seu vestido preto
mulher descasada roendo as unhas do esmalte vermelho
cachorros latindo
para sempre



(Sem título)


gente bonita de vida fácil
gente fácil de vida feia
gente feia de vida bonita
todos têm sua beira



As pessoas que não entendem de sexo


as pessoas que não entendem de sexo
e suas categorias:
trepar
fuder meter
fazer amor
é que são vadias


as pessoas que não entendem de sexo
e suas peculiaridades
e seus múltiplos lugares
é que são vulgares


as pessoas que não entendem de sexo
que não é de 50 tons de cinza
mas das prosas
e das poesias
de Hilda
é que são vazias


as pessoas que não entendem de sexo
que não é só papai-mamãe
mas também papai-mamãe-vizinhas
um chefe e dois garotos, talvez aquela sua tia
é que são mesquinhas


as pessoas que não entendem de sexo
não veem que o nexo
do eixo entre o céu e a terra
é este seio
de palavras
para chupar
que deixo


pois


a poesia que não fode e
não goza


não rima
toda palavra que pode


já a poesia que fode
num gozo profundo
que não é só vida
– espermatozóide –
encontra sentido
neste mundo
invertido