Nossa leitora-musa d'Grande Sertão: Veredas, Paula Albuquerque, posou para o nosso Instagram (#cachimboreaders).

A leitora-musa d’Grande Sertão: Veredas, Paula Albuquerque, posou para o nosso Instagram, ou melhor, InstaCachimbo =) (P.S.: Na hashtag #cachimboreaders você vê fotos dos nossos leitores com o seu livro preferido e pode fazer a sua também!).


Hoje, o escritor mineiro Guimarães Rosa completaria 105 anos. Enquanto o tempo caminha nonada, ficamos adorando as paisagens do seu Grande Sertão: Veredas.



Eu quase que nada não sei. Mas desconfio de muita coisa


Compadre meu Quelémem sempre diz que eu posso aquietar meu temer de consciência, que sendo bem-assistido, terríveis bons espíritos me protegem. Ipe! Com gosto… Como é de são efeito, ajudo com meu querer acreditar. Mas nem sempre posso. O senhor saiba: eu toda a minha vida pensei por mim, forro, sou nascido diferente. Eu sou eu mesmo. Divêrjo de todo mundo… Eu quase que nada não sei. Mas desconfio de muita coisa. O senhor concedendo, eu digo: para pensar longe, sou cão mestre – o senhor solte em minha frente uma idéia ligeira, e eu rastreio essa por fundo de todos os matos, amém!



Alma tem de ser coisa inteira supremada, muito mais do de dentro


(…) Vender sua própria alma… Invencionice falsa! E, alma, o que é? Alma tem de ser coisa inteira supremada, muito mais do de dentro, e é só, do que um se pensa: ah, alma absoluta! Decisão de vender alma é afoitez vadia, fantasiado de momento, não tem a obediência legal. (…) Então, se um menino menino é, e por isso não se autoriza de negociar… E a gente, isso sei, às vezes é só feito meninio. (…) Se tem alma, e tem, ela é de Deus estabelecida, nem que a pessoa queira ou não queira. Não é vendível.



Reza é que sara da loucura


Hem? Hem? O que mais penso, testo e explico: todo-o-mundo é louco. O senhor, eu, nós, as pessoas todas. Por isso é que se carece principalmente de religião: para se desendoidecer, desdoidar. Reza é que sara da loucura. No geral. Isso é que é a salvação da alma… Muita religião, seu moço! Eu cá, não perco ocasião de religião. Aproveito de todas. Bebo água de todo rio… Uma só, para mim, é pouca, talvez não me chegue. (…) Tudo me quieta, me suspende. Qualquer sombrinha me refresca. (…) Muita gente não me aprova, acham que lei de Deus é privilégio, invariável.