Desde o início deste ano o Formas Breves virou o xodó dos leitores afeitos à leitura portátil, que cabe no bolso, na mala e na mochila; prática mas sem pôr em risco o Sublime e que reforça os horários do almoço (com sustância, afinal não é de qualquer leiturinha que alimenta o espírito). O selo digital, lançado pela editora independente e-galáxia, oferece um conto por semana pelo preço inverossímil de R$ 1,99. A seleção das narrativas curtas está nas mãos de Carlos Henrique Schroeder (organizador do Festival Nacional do Conto, cof, cof), que tem feito do leitor-médio um sujeito mais feliz. Entre contos lendários da literatura universal e os novíssimos contemporâneos, estão os escritores do Cachimbo.



Toda segunda-feira, um novo conto é lançado. É clicar e direcionar os olhos para o seu tablet, celular ou computador (em movimento contínuo e disperso):


O delegado Tobias, Ricardo Lísias


Francisco não se dá conta, de Andréa del Fuego


A otária, de Marcia Tiburi


Festinha, de Marcelino Freire


Convivência, de Carola Saavedra


Autoficção, André Sant’Anna


O primeiro dia do último inverno, João Anzanello Carrascoza